Os benefícios de uma alimentação zero glúten

Os benefícios de uma alimentação zero glúten

O glúten é uma proteína presente em cereais como trigo, malte, centeio e cevada. Ele é responsável por dar elasticidade aos alimentos, como quando o padeiro sova a massa, criando redes de glúten e deixando o pão mais macio.

Porém, para algumas pessoas, o glúten é um verdadeiro vilão, trazendo uma série de problemas, inclusive desencadeando uma doença autoimune, chamada de doença celíaca.

Você está pensando em aderir uma alimentação zero glúten? Continue lendo este artigo e entenda melhor sobre o tema.

O glúten pode causar problemas de saúde?

Como dissemos na introdução, para algumas pessoas, o glúten não é bem aceito. Estamos falando de cerca de 1% da população mundial que convive com a doença celíaca. Ela é uma doença autoimune mediada pelo glúten.

O que isso significa? Que quando essas pessoas consomem alimentos com glúten (ou que tenham sido produzidos em ambientes onde se manipula glúten), os anticorpos delas começam a atacar o próprio organismo, especialmente o intestino delgado. Isso leva a uma atrofia das mucosas, impedindo que o corpo consiga absorver os nutrientes.

O resultado, além de diarreia, é perda de peso, anemia, deficiências de vitaminas, desnutrição e, em crianças, pode levar a dificuldades de crescimento e desenvolvimento.

Se uma pessoa com doença celíaca continua a consumir glúten ou a consumir produtos contaminados com glúten, com o tempo, ela poderá desenvolver outros problemas, como alguns tipos de câncer e até uma doença refrativa, ou seja, mesmo retirando o glúten, o organismo continua a reagir.

Intolerância ao glúten

Outra possibilidade é a intolerância ao glúten. Algumas pessoas, mesmo sem terem os marcadores para a doença celíaca, desenvolvem diferentes sintomas quando ingerem alimentos com glúten.

A intolerância não celíaca ao glúten é um caso mais brando, que acomete cerca de 5% da população mundial, e que não é mediada por elementos autoimunes, porém que traz muitos problemas e queda na qualidade de vida, com sintomas como diarreia ou prisão de ventre, excesso de gases, distensão abdominal e indisposição.

Nesses casos, a dieta zero glúten também é recomendada. Porém, a pessoa não precisa ter tanta atenção com a contaminação cruzada. Ou seja, quando um produto, mesmo sem ter glúten na sua fabricação, entra em contato com objetos que tocaram produtos com glúten (algo que deve ser muito considerado entre os celíacos).

O que fazer antes de começar uma alimentação zero glúten?

Se você sente sintomas como os que citamos anteriormente, por exemplo: diarreia crônica, prisão de ventre, distensão abdominal, gases, inchaço, enxaqueca e outros, o mais recomendado é sempre procurar um gastroenterologista antes de retirar o glúten.

Isso porque, se você for celíaco e parar de comer glúten, quando for fazer os exames, receberá um falso negativo. Ou seja, como não está consumindo glúten, o seu exame dirá que você não tem doença celíaca, mascarando um problema sério de saúde.

Então, procure orientação médica e faça todos os exames antes de retirar o glúten da sua dieta. Caso você tenha doença celíaca ou intolerância não celíaca ao glúten, o médico poderá lhe orientar adequadamente sobre como agir e o que evitar.

A investigação passará por: exame de sangue (para verificar a presença de anticorpos típicos da doença) e uma biópsia do intestino feita por endoscopia.

Quais os benefícios de tirar o glúten da dieta?

Depois de entender exatamente quais passos tomar antes de retirar o glúten da dieta, que tal compreender melhor os benefícios que uma alimentação zero glúten pode trazer, especialmente para quem tem algum tipo de intolerância ou problema com essa proteína?

1. Melhora no metabolismo

Quem tem doença celíaca ou intolerância ao glúten não consegue absorver corretamente os nutrientes. Isso porque, o intestino delgado dessas pessoas fica continuamente inflamado, impedindo que elas obtenham as vitaminas e minerais necessários.

Assim, quando o glúten é eliminado, há uma redução no grau de inflamação do organismo, fazendo com que o metabolismo volte a funcionar normalmente. Isso significa: redução da retenção de líquidos, perda de peso, correta absorção dos nutrientes e prevenção de algumas doenças, como obesidade e complicações cardiovasculares.

2. Redução de calorias

Se você começar a reduzir ou cortar os produtos com glúten da sua alimentação, consequentemente diminuirá também o consumo de carboidratos. Especialmente, se esses alimentos forem substituídos por versões naturais, como frutas, verduras, tubérculos, proteínas magras e outros tipos de farinhas, como de amêndoas e de castanhas.

É por isso que tantas pessoas comentam que conseguem emagrecer quando fazem uma dieta zero glúten. Pois, ao invés de consumir excesso de farinha branca, elas passam a ingerir produtos mais naturais e saudáveis.

3. Previne o aparecimento de osteoporose e anemia

A doença celíaca, quando não tratada, pode trazer uma série de complicações, além dos sintomas desagradáveis e da piora na qualidade de vida. Um dos riscos é a osteoporose e a anemia, devido à má absorção de vitaminas, especialmente a vitamina D e a vitamina B12.

Quando se retira o glúten, a inflamação do intestino cessa, e ele volta a trabalhar como deveria, absorvendo corretamente as vitaminas ingeridas. Assim, há uma redução nas chances de desenvolver osteoporose, anemia e outros problemas de saúde relacionados à má nutrição.

4. Redução do mal-estar

Celíacos e intolerantes não celíacos ao glúten experimentam uma série de sensações e sintomas desagradáveis ao consumir produtos com a proteína. Como: indisposição, inchaço, gases, dores de cabeça, estufamento, diarreia, prisão de ventre, distensão abdominal e muitos outros.

Alguns celíacos até desenvolvem problemas de pele, como é o caso da dermatite herpetiforme, que são erupções cutâneas que coçam bastante e que podem formar caroços e bolhas.

Quando se retira o glúten da alimentação, esses sintomas desaparecem.

Outras dicas importantes sobre uma alimentação zero glúten

Se a sua ideia, contudo, é fazer uma alimentação zero glúten para emagrecer, atenção. Porque alguns produtos sem glúten não, necessariamente, possuem menos calorias, já que podem ser produzidos com outras farinhas capazes de engordar, como farinha de mandioca, amido de milho etc.

Então, nesse caso, a dica é substituir os alimentos com glúten por versões mais saudáveis, como frutas, verduras, legumes e, sempre que consumir produtos industrializados, ler o rótulo.

Aliás, essa dica também é importante para celíacos e intolerantes. Afinal, é no rótulo que está escrito se determinado produto contém ou não glúten. E para os celíacos, não se esqueçam da contaminação cruzada. Mesmo que um alimento seja sem glúten, se ele for manipulado em locais que contêm glúten, poderá lhe causar problemas.

Ou seja: talheres que tocaram alimentos com glúten, utensílios de cozinha, fornos e outros itens que tiveram contato com glúten podem lhe desencadear reações. Então, muito cuidado ao comer fora, em restaurantes por quilo e em outros locais que manipulam glúten.

Agora, você já sabe tudo sobre uma alimentação zero glúten? Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e ajude seus amigos a entenderem melhor sobre esse tema!

Deixe uma resposta